Renata Rimet

Inspiração guardada não respira, verso é vício e vice versa...

Textos


Vazio que devasta
Devora sonhos
Invade alma
 
Ainda seria fuga
A busca por aroma de flores
De primavera tardia
Suvenir a embriagar  devaneios
Da imagem que não vê
E todos os desencontros
Afogados em taças de  vinho barato
Companhia única
 
Sintoma de  amor disperso
Solidão do enredo não vivido
De solo antes verde e fértil
Perceptível na amargura de sentidos
Por entre dedos
Escapa
Feito pó ao vento
Cheio de pressa, sem amarras.

 
Renata Rimet
Enviado por Renata Rimet em 18/11/2013
Copyright © 2013. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras