Renata Rimet

Inspiração guardada não respira, verso é vício e vice versa...

Textos


O sonho não pode acabar...
 

     Convicto de suas atitudes, Norberto seguia uma rotina já conhecida por todos os vizinhos e por outros que apenas cruzavam seu caminho.

     Repetição de gestos, trajetos e comportamento, tudo poderia faltar, mas o sonho, jamais.  Naquela manhã entrou na confeitaria, compulsivamente olhava para o relógio, como se tentando provocar  ponteiros a deslizar por cada segundo com maior agilidade, enquanto isso, era perceptível os olhares curiosos, que concluíam o motivo da visita à confeitaria, o sonho não poderia acabar, e aquela era a oportunidade de repor seu estoque, no balcão informa:
  - Vinte unidades, hoje só tinha um sonho na geladeira!






Crônicas 100 palavras
4/100
Renata Rimet
Enviado por Renata Rimet em 30/09/2016
Copyright © 2016. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras